quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Entre a Espada e a Parede
Lágrimas percorrem-me dia após dia,
Temo ser, apenas, uma sombra da paixão
Que me percorre a frágil alma vazia,
Na lágrima de amar a diva da perfeição

Paro, para ouvir o meu coração bater,
Sei que nada me pode matar a sede,
Posso fugir do fogo mas continuo a arder,
É como estar entre a espada e a parede...

Chegas-te, e levas-te contigo o meu chão,
Piso o nada, e perco-me no passo que se sucede,
Vacila o coração, não sei que outras sombras virão,
É como estar entre a espada e a parede…

3 comentários:

Afrodite disse...

Como sempre nos presenteando com belos poemas!
Feliz mulher aquela que te possui!
Beijo!

Zil Mar disse...

Oi Jorge....

Obrigada pela visita...me deixou feliz!

Suas poesias cada dia mais preciosas....magestosas....com o brilho que vc tem....

deixo pra vc meu melhor abraço...bom carnaval..rs

Zil

Marilu disse...

Querido amigo, Páscoa é amor, ressurreição e renovação, abra seu coração e deixe que o amor faça sua eterna moradia. Tenha uma Feliz e abençoada
Páscoa.
Beijocas de chocolate.